quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Ildegardo Rosa, o andarilho da ilusão

Ildegardo Rosa (1931-2011)

Salve Mestre Dedé, meu pai, muita luz pra ti neste 22 de outubro, teu dia! Para celebrar, um pedaço da obra do andarilho da ilusão, poeta e filósofo, com o registro de sua voz singular, de profeta do sertão, introduzido pelo também mestre Mateus Aleluia




Ildegardo Rosa (1931-2011) disse:


"Para que direção corre o curso da vida? Para cima, para baixo, para um lado, para o outro, para frente ou para trás? Ou corre para lugar nenhum? Então, observe apenas, não interrompa e nem interfira. Deixe-o simplesmente correr, não importa para onde. O que importa é estar nele, é ser ele mesmo, pois esse é o nosso destino, a nossa eterna condição. Não te arremesses no amanhã, no que desejas vir a ser, nem te agarres no passado, no que já foi e não voltará; são meras fugas e ilusões. O que tu tens de concreto e não importa o que te aconteças é este instante; não tentes escapar dele, viva-o com plenitude e coragem. Esgote-o! Ele é a tua única realidade, mesmo que nada seja real"


"Por que se agarrar à vida? Agarrar-se à vida é perdê-la. A vida é um processo. É um fluxo eterno. É um estar indo, não importa para onde, mesmo se for para lugar nenhum. Vá com a vida. Deixa de olhar para o teu umbigo como se fosse o centro do mundo. O teu destino pessoal não tens a mínima importância, pois tu és apenas um fenômeno passageiro e ilusório, uma emanação do que és, sempre foste, e sempre serás: a eterna existência. Desperta, homem! Aí então saberás que esta eternidade és tu mesmo e tudo mais que existe. Não penses que o mundo gira em torno de ti! Quão pequenina e fugaz é a tua megalomania dentro da Natureza. Enquanto estiveres cheio das tuas coisas, tesouros, paixões, posses, desejos, sofrimentos, deuses e ilusões, enfim, do teu próprio ego que carregas em vão, tu estarás no NADA, no sem sentido, na ilusão"


"Corri como um louco em busca da felicidade e trouxe apenas as mãos vazias pendentes de ilusões. Caminhei então, devagar, em busca do meu próprio destino e hoje trago as mãos cheias carregadas de vida. Me aconteci, me manifestei, me existi. Sou um ser que está fora. Para fora estão os meus olhos que percebem as ilusões do mundo. De fora entra o ar que respiro e mantém o meu alento. Lá fora é que estão o céu e o inferno, os santos e os demônios, os que me envolvem de amor e os que me sufocam de tanto ódio. Como então posso retornar para dentro? Desde o princípio que nunca principiou, pois sempre foi, é e será, eu sou. Não há caminho a se percorrer, algum Deus a se buscar ou iluminação a se alcançar. Tudo já está pronto como sempre esteve. Apenas abra os olhos porque então o desmistério acontece, se revela o que era irrevelado, face à minha ignorância, minhas perdições, meus pecados, minhas ilusões! Desde o princípio eu sou"


"Porque não existe nem o dentro, nem o fora, apenas o ser aqui e agora. De que estão se busca sentido? Eu venho de lugar nenhum e vou para nenhum lugar"


"Agora deixarei o mistério acontecer por si mesmo e se auto desvelar a cada instante por toda a eternidade. Agora relaxarei profundamente e cessarei essa tentativa ansiosa, desesperada e sofrida de querer desvelar o mistério e tudo ser em vão. Agora viverei a vida que está presente e que a cada instante acontece e desacontece, não importando seu destino e sua razão de ser"


"Não olhes para o alto em busca de soluções porque o alto é apenas uma distância vazia e inexpressiva. Não olhes para a esquerda ou para a direita porque são apenas posições relativas. Não olhes para trás, pois apenas entortarás a cabeça em busca de um passado que não retorna jamais. Não olhes para frente, pois seguirás em vão tua estrada sem rumo e sem destino que te conduzirás à morte. Olhe então para dentro de ti, pois ai estará a solução. De que? Só tu saberás!"


"Eu sei (ou quase sei) que estou lá ou aqui – pouco importa. O mundo é uma ilusão"

-----

Texto formado por trechos de 14 poemas de Ildegardo Rosa, produzidos em 1957, 1958, 1993, 1994, 1995, 1996, 1997 e 1998, editados por mim. Os poemas foram: "O Curso da Vida" (02/04/1994) / "O Escapista" (03/12/1998) / "A Vida" (28/06/1994) / "O Egoísta" (08/10/1995) / "Do Existencial" (28/08/1957) / "O Tudo e o Nada" (14/09/1996) / "Solução" (13/12/1958) / "O Retorno ao Reino de Deus" (02/12/1998) / "Desde o Princípio Eu Sou" (18/09/1996) / "O Enigma" (02/02/1993) / "O Sentido" (28/10/1997) / "Onipresente" (14/08/1993) / "A Não Solução" (14/10/1997) / "Eu Sei... e Não Sei" (05/09/1993)

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Pílulas: Dicionário Amoroso de Salvador, de João Filho

João Filho (foto: Divulgação - interferida por Mirdad)


Segundo a editora Casarão do Verbo, a sua coleção de dicionários amorosos é "o território literário no qual os escritores ocupam, em todas as direções, o tecido urbano de algumas metrópoles brasileiras. É uma outra forma de olhar as capitais no que elas têm de aparente, secreto e inexplorado". Segundo a escritora Állex Leilla, "são chamados de Dicionários porque os temas entram em formato de verbetes, porém, se trata, na verdade, de crônicas amorosas, apimentadas, sensuais, satíricas, ácidas e poéticas acerca dessas 12 cidades. Os olhares são pessoais, e as imagens que saltam nas páginas são frutos da relação complexa que cada indivíduo - neste caso, escritores, poetas, artistas - têm com a cidade onde nasceram e/ou escolheram para viver".

O Dicionário Amoroso de Salvador é uma excelente obra do poeta e pensador baiano João Baiano, com ilustrações de Caius Marcellus.




Parte I
Leia aqui

"Baiano não morre de depressão, mata de pirraça"






Parte II
Leia aqui

"Salvador não é para principiantes. Braços abertos podem afagar ou sufocar"





João Filho
(Casarão do Verbo/2014)
249 pg
Preço: R$ 34,00

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Dedicatórias para o leitor Emmanuel Mirdad



O leitor Emmanuel Mirdad é um colecionador de dedicatórias. Para ele, é como se a assinatura do autor fosse uma autorização para imergir na obra, como se ela se tornasse mais legítima, o consumo consentido, receitado, referendado. Além disso, é uma dose de carinho, recado afetivo que se imortaliza como um retrato, digitalizado e compartilhado, uma selfie literária entre amigos e/ou colegas, comparsas, mestres e discípulos.

2014





Livros de Ruy Espinheira Filho, 
João Filho, Kátia Borges, 
Marcio Matos, 
Nalini Vasconcelos 
e Odara Rufino

Clique aqui











Livros de Herculano Neto, 
Henrique Wagner, 
João Mendonça, 
Mayrant Gallo 
Dênisson Padilha Filho

Clique aqui






Livros de João Filho, Mariana Paiva, Marcus Vinícius Rodrigues, Márcia Moreira e Gustavo Felicíssimo
Clique aqui



Livros de Affonso Manta, Lima Trindade, Rodrigo Melo, Tarcí-sio Borges, Cau Gomez e Victor Mascarenhas
Clique aqui


2010-2013



Livros de Pepetela

Clique aqui






Livros de Reinaldo Moraes

Clique aqui







Livros de Cristovão Tezza

Clique aqui








Livros de Hélio Pólvora e Ruy Espinheira Filho

Clique aqui









Livros de Mayrant Gallo

Clique aqui









Livros de José Inácio Vieira de Melo

Clique aqui







Livros de Sérgio Rodrigues, Mário Magalhães, Luiz Felipe Pondé e Állex Leilla
Clique aqui




Livros de Tabajara Ruas, Ronaldo Correia de Brito, José Eduardo Agualusa e Ana Paula Maia - Clique aqui




Livros de André Setaro, Victor Mascarenhas, Gláucia Lemos e Joca Reiners Terron
Clique aqui




Livros de Jessica Smetak, Carpinejar, Eduardo Bueno e Mariana Paiva
Clique aqui



Livros de Adelice Souza, Carlos Barbosa, Gláucia Lemos, As Baianas e Aurélio Schommer - Clique aqui





Livros de Leandro Narloch, 
Victor Mascarenhas, Aurélio Schommer, 
Katherine Funke, Wladimir Cazé 
e Karina Rabinovitz

Clique aqui




Livros de Fernando Conceição, Davi Boaventura, Saulo Ribeiro, Georgio Rios e Eliakin Rufino - Clique aqui




Livros de presente: Clarice Lispector, Rilke, Arnaldo Branco e Saulo Ribeiro
Clique aqui